The Presidential, “A mais espantosa experiência do País”

The Presidential, foi o nome dado a esta experiência fantástica, que contempla a viagem a bordo de um comboio através da mítica Linha do Douro, completada com um serviço de catering luxuoso, a cargo de alguns dos mais talentosos chefs mundiais.

Chef Dieter Koschina, Edição Inaugural, The Presidential

Chef Dieter Koschina, Edição Inaugural, The Presidential

A viagem começa na emblemática Estação de São Bento e a composição ferroviária escolhida foi noutros tempos utilizada pelos presidentes da República.

Recentemente foi recuperada pelo Museu Nacional Ferroviário e transformada num comboio turístico de luxo.

The Presidential foi o vencedor dos Best Event Awards 2017

Em 2017 ganhou o Best Event Awards 2017. O projecto português ficou em primeiro lugar,  entre as 296 candidaturas apresentadas de 27 países. Ficou, por exemplo, à frente das candidaturas da França e dos Emirados Árabes Unidos, o segundo e terceiro classificado, respectivamente.

The Presidential, o magnífico comboio presidencial português

The Presidential integra um conjunto de carruagens,que fizeram parte do comboio real português. Datam de 1890 e foram modernizadas ao longo dos tempos. Integra também algum material comprado à Alemanha nos anos 30 do século XX.

É ainda uma das jóias da coroa do património ferroviário Português. O Comboio Presidencial transportou Presidentes, Chefes de Estado, Reis e Papas durante mais de um século.

Foi construído em 1890, e serviu a corte do rei D. Luís I como o Comboio Real. Recebeu a bordo convidados de honra como a rainha Isabel II e o Papa Paulo VI. No inicio do século foi rebaptizado e passou a designar-se “Comboio Presidencial” . Transportou os Chefes de Estado portugueses até 1970, altura em que foi oficialmente retirado de circulação.

Magnificamente restaurado em 2010, o mobiliário e charme que o tornaram icónico mantêm-se intactos e está desde então em exposição no Museu Nacional Ferroviário como a mais emblemática peça da nossa história ferroviária.

Três ingredientes perfeitos

Segundo Gonçalo Castel-Branco a conjugação perfeita. “Limitei-me a juntar o que já existia: esta paisagem fantástica que é o Douro já existia, a linha já existia, o comboio já existia, o Vesúvio também já cá estava. Eu só convidei os chefs, montei o evento e resultou nisto”

Gonçalo Castel-Branco, The Presidential

Um comboio muito especial, luxo de outros tempos

The Presidential é como uma cápsula do tempo na qual viajamos através da história numa atmosfera de luxo e conforto. Quando se ouve o seu som distinto, eis que surge o seu exterior imponente, e ao entrar a bordo das suas luxuosas carruagens não há como não se sentir realeza. Resgatado ao passado, está de novo em movimento e é protagonista de viagens inesquecíveis.

Os melhores chefs do mundo, paladares mágicos

A gastronomia é uma forma de arte muito especial e os Chefs são os artistas do séc. XXI. Através das suas criações, os melhores Chefs do mundo têm a capacidade de manipular os nossos sentidos e acordar as nossas emoções com experiências ricas e envolventes.

Locais maravilhosos para visitar de comboio

Outrora um meio de transporte revolucionário, os comboios e as suas linhas oferecem aos viajantes perspectivas únicas e acessos privilegiados, expondo locais e recantos originais e extraordinários. Existem linhas ferroviárias que são verdadeiros tesouros por explorar.

Em setembro de 2017 a Forbes publicou um artigo: A Rolling Royal Feast in Portugal: The Presidential Train

Consulte mais informação sobre preços e atividades

Quinta da Pacheca, The Wine House Hotel – Lamego

Ex-libris da Quinta da Pacheca, o The Wine House Hotel é uma das mais conhecidas unidades de ‘turismo de charme’ do Douro e tem sido alvo de várias distinções a nível internacional. Tendo na vinha e no vinho a sua inspiração e ambientes, está vocacionado para o turismo gastronómico e enológico, conjugando a imagem moderna e ‘avant-garde’ com sobriedade e elegância.


O luxuoso Wine House Hotel em Lamego, no coração da região do Douro, está rodeado por uma extensa propriedade privada com vinhas. O acesso Wi-Fi é gratuito.

Esta típica casa do século XVIII foi restaurada respeitando a arquitectura tradicional e características originais. Combina design moderno com ambiente histórico.

Os quartos climatizados do Hotel Wine House – Quinta da Pacheca estão decorados individualmente. Todos os quartos possuem casa de banho privada. Alguns quartos têm uma varanda privativa.

Os hóspedes podem desfrutar de cozinha gourmet confeccionada com produtos locais no restaurante, que oferece vistas panorâmicas sobre a paisagem circundante. Também é possível provar e comprar o vinho produzido na Quinta da Pacheca.

Um parque de estacionamento privado está disponível gratuitamente no local. A Estação Ferroviária da Régua está apenas a 2,9 km do The Wine House Hotel – Quinta da Pacheca.

Esta propriedade também tem uma das localizações melhor pontuadas em Lamego! Os hóspedes estão mais satisfeitos com ela do que com outras propriedades da mesma área.

Um passeio revigorante às Amendoeiras em Flor

Há alguns anos, em muitas regiões portuguesas, seria certo que por esta altura alguém iria programar uma excursão ao interior do nosso país, mais concretamente às amendoeiras em flor.

As expedições foram perdendo fulgor, mas com o desenvolvimento que a região das amendoeiras em flor tem sofrido nos últimos anos, levou a que as instituições de desenvolvimento regionais e nacionais a fortalecessem com atividades muito específicas.

Para quem desconhece, as amendoeiras têm predominância nos montes e vales do nordeste transmontano e no Douro superior. Todos os anos por esta altura, por volta da segunda metade do mês de fevereiro e por todo o mês de março, o acastanhado dos montes pinta-se de branco e rosa, como quem “chama” a primavera.

Vários são os municípios que por esta altura vivem um crescimento na economia local. Esse crescimento advêm não só da beleza natural, bem como, das festas da amendoeira em flor que animam os concelhos de Figueira de Castelo Rodrigo, Mogadouro, Vila Nova de Foz Côa, Vila Flor, Freixo de Espada à Cinta e Torre de Moncorvo.

Flor da amendoeira

Como conhecer a região

Agora, para conhecer esta admirável região poderá utilizar as excursões, viatura própria ou através dos CP- Comboios de Portugal:

Carro: para nós esta é a melhor forma de apreciar esta maravilha da natureza, conhecer melhor os locais e desfrutar de um dia em plena natureza. Utilizar o carro para percorrer à vontade esta zona do nordeste transmontano e no Douro superior é a forma mais simples e facilitada.

Comboio: se optar por visitar de comboio, saiba que os passeios normalmente realizam-se aos sábados do mês de março. É uma viagem que atravessa uma vasta região do Douro, até ao Pocinho (Vila Nova de Foz Côa). Comboios especiais no percurso Porto Campanhã – Pocinho e volta, com três circuitos rodoviários à escolha. Veja aqui os programas.

Para os mais aventureiros, cada um dos municípios abaixo referidos disponibilizam atividades distintas para que possam vasculhar cada recanto das amendoeiras em flor:

Vila Nova de Foz Côa

Figueira de Castelo Rodrigo

Mogadouro

Freixo de Espada à Cinta

Restaurante O Lagar

O Restaurante O Lagar localiza-se em Torre de Moncorvo, nas instalações de uma antiga adega de vinho. É um espaço bem decorado e com apresentação que vai ao encontro do tema do restaurante. A gastronomia, verdadeira cozinha transmontana, é de enorme qualidade e o serviço é rápido e eficiente.

O seu cartão de visita anuncia grande variedade de peixe fresco, o que é confirmado com maior incidência nos carapaus, trutas e safio grelhados. Passando às carnes, com óptimas escolhas regionais, retenham-se as favas guisadas com entrecosto, a galinha caseira de cabidela, o ensopado de javali.

Localizado no núcleo renascentista da vila de Torre de Moncorvo, ao lado da oficina Vinária-Museu do vinho, fazendo parte do antigo lagar da Quinta das Aveleiras. O lagar foi definitivamente encerrado e na década de 80, mantendo os traços originais a adega é transformada e explorada como restaurante. Tem um ambiente recatado e acolhedor, com ingredientes seleccionados da região (Moncorvo / trás os montes), a sua cozinha é um garante da cultura gastronómica da região. Espaço para crianças brevemente.

 

 

 

Especialidades:

Posta de vitela à Lagar

Pernil à Transmontana

Lulas com Sumo de Limão

O Lagar mais apetitoso de sempre fica em Torre de Moncorvo

Com paisagens de cortar a respiração, o concelho transmontano está repleto de singelas maravilhas, a começar pela gastronomia.

Ao palmilhar as ruas estreitas de Torre de Moncorvo, encontrará a magnífica igreja da vila que requer uma visita longa, assim como a Igreja da Misericórdia ou o Arco da senhora dos Remédios. Mas é numa dessas ruas a descer, encostada à grandiosa igreja de Moncorvo que a uns 100 metros encontrará um dos melhores segredos de Torre de Moncorvo.

Vídeo da Associação de Desenvolvimento Territorial- Vale do Côa

O restaurante O Lagar, que ao percorrermos com os olhos as portas de entrada deparamo-nos com todos os galardões atribuídos, inclusive o Garfo de Ouro (prémios Boa Cama Boa Mesa atribuídos pelo Expresso). Local de repasto muito acolhedor e agradável, aqui sentir-se-á em casa.

Edifício rústico, local que outrora fora uma adega de vinho, acolhe há cerca de 30 anos um restaurante com uma decoração em tons castanhos, cheio de iguarias e bons vinhos para nos deleitarmos.

Aqui poderá degustar refeições generosamente bem servidas, muitos bem confecionadas, com temperos bem ao gosto dos palatos mais exigentes! A posta de vitela é o ex-libris do Lagar, mas garantimos-lhe que se comer o bacalhau também não sairá mal servido.

O vinho é “ao gosto do freguês”, com variadíssimos vinhos de várias zonas, mas como é óbvio devido à proximidade geográfica aconselhamos um néctar do Douro.

De atendimento rápido e eficiente, será atendido por um staff muito simpático e atencioso. Para além de todas estas requintadas mais valias a relação qualidade-preço é muito abonatória, não sendo de categoria económica, é um sítio onde se come tão bem por um bom preço!

A destacar

A destacar temos a qualidade do azeite com que toda e comida é confecionada, com que o requeijão de entrada é servido e com o que nos é colocado à disposição para os temperos.

As sobremesas são caseiras e tradicionalmente regionais, sendo um pouco mais sofisticadas e de um sabor extraordinário (tanto  a mousse e a tarte de amêndoa). Caso tenho barriga para tal aproveite a prove a trilogia de doces que o Lagar tem como sugestão.

Uma deliciosa mousse de amêndoa caseira do restaurante Lagar

Conselho

No Lagar nunca o deixariam sair de estômago vazio, no entanto, e devido à afluência de pessoas quer durante a semana ou ao fim de semana, aconselhamos a prévia reserva. Para evitar esperas ou surpresas!

Lamego com história… Venha descobri-la!

Datada do tempo dos romanos, foi em Lamego que terão decorrido as lendárias Cortes de Lamego, onde terá sido feita a aclamação de D. Afonso Henriques como Rei de Portugal e se estabeleceram as linhas orientadoras de “Sucessão ao Trono”.

Localizado na margem sul do rio Douro, é considerada uma cidade histórica e monumental, pois possui uma grande quantidade de monumentos, igrejas e casas brasonadas, sendo também uma diocese portuguesa.

Religião

Santuário de Nossa Senhora dos Remédios em Lamego

Santuário de Nossa Senhora dos Remédios em Lamego

Lamego é sede da diocese homónima, a única diocese portuguesa que não corresponde a uma capital de distrito. Por aqui os monumentos religiosos são inúmeros, dos quais se destacam a Sé Catedral, a Igreja de São Pedro de Balsemão e o Santuário da Nossa Senhora dos Remédios. Este último é o mais reconhecido pelos portugueses em geral, isto porque existe uma romaria anual com o mesmo nome.

Gastronomia e produtos regionais de Lamego

Conhecida também pela sua gastronomia, por aqui poderá degustar os deliciosos presuntos ou o cabrito assado. Mas a mais famosa é a bôla de Lamego, tradicionalmente confecionada na “Pastelaria da Sé”, casa emblemática na produção das Bôlas de Lamego. Esta casa emblemática encontra-se em fase de expansão, tendo sido inaugurada há pouco tempo na Avenida da Boavista, na cidade do Porto, mais uma Casa das Bôlas.

Douro

Passeios no Rio Douro

Passeios no Rio Douro

A produção de vinhos, nomeadamente do vinho do Porto e de espumantes é outra das relíquias lamecenses. Com a proximidade com o Rio Douro, e com o exponencial crescimento do turismo nesta região, Lamego tem vindo a ganhar cada vez mais notoriedade no panorama turístico português. No entanto, essa notoriedade também advém de bons produtos e boas “casas”, como é o caso da Quinta da Pacheca. Famosa pela comercialização de vinhos (Pacheca), esta quinta é ainda conhecida pelo seu hotel, pelas visitas guiadas às provas e cursos de vinhos, bem como pelo restaurante.

Feira Medieval

Feira Medieval - Foto da Câmara Municipal de Lamego

Feira Medieval – Foto da Câmara Municipal de Lamego

Outra iniciativa promovida nos últimos anos é a Feira Medieval. Com um número de visitantes já considerável e de participantes também bastante aliciante, a atividade festiva atrai mais movimento a esta cidade e é um chamariz cada vez mais importante. Com arruadas musicais, torneios de armas, mercado medieval e cortejos alegóricos a animação será sempre o mote deste evento.

Quinta do Chão D’Ordem

“A parte habitacional da Quinta tem uma traça simples e convidativa. A escada que conduz ao primeiro andar continua pela varanda, como quem envolve os visitantes num único abraço. A nobreza do acolhimento revela-se naturalmente no piso superior, mas, à boa maneira dos antigos, a maior franqueza  tem lugar ao nível do piso térreo.”

Por terras de Vila Nova de Foz Côa

O interior de Portugal é muitas vezes desprestigiado, isto porque maioria das pessoas não conhecem em profundidade a magnificência de alguns dos locais em questão.

Foz Côa de todos os encantos

Vila Nova de Foz Côa é um desses exemplos. Terra verdejante, repleta de oliveiras e vinha, aqui os planaltos e vales são contínuos. Por Foz côa os visitantes terão a oportunidade de desfrutar de tranquilas e imponentes paisagens onde termina o Douro Internacional e começa o Alto Douro Vinhateiro.

Vistas do Museu do Côa sobre o Douro

Para que tenha noção da amplitude turística de Vila Nova de Foz Côa, o concelho pertence à Região do Vale do Côa, ao Alto Douro Vinhateiro, pertence ainda à Região do Turismo de Porto e Norte, e é um dos únicos locais em Portugal com um Parque Arqueológico Rupestre, o Parque Arqueológico do Vale do Côa. Apenas por este excerto conseguirá comprovar que são vários os motivos que o poderão levar a esta terra rica e imponente.

 

Rica em vinhos, em Vila Nova de Foz Côa existem vários néctares de renome, bem como um festival vitivinícola que enaltecem todos os vinhos da região. Mas para complementar todo este espólio existem os turismos de habitação que fortalecem o turismo vitivinícola da região. Podemos falar-lhe das Casas do Rio e do vinho Vallado ou a Quinta do Chão D’Ordem propriedade com cerca de 30 hectares, rodeada por vinhas, oliveiras e amendoeiras.

 

Vinha Douriense

Mas a riqueza deste terra é também devido às suas extensas e delirantes paisagens. Num concelho com cerca de 7.500 habitantes, existem no mínimo seis miradouros para que se possa embebecer com as luxuriantes vistas sobre o Douro. Os locais que queremos evidenciar são: o Miradouro de Nossa Senhora do Viso (Custóias), o Miradouro de Sta. Bárbara (Mós), o Miradouro de S. Martinho (Seixas), o Miradouro de S. Gabriel (Castelo Melhor), o Miradouro da Mata dos Carrascos (Santo Amaro) e o Miradouro do Arnozelo (Numão).

Em questões arquitetónicas Foz Côa encontra-se bem distinguida no panorama nacional e internacional, com o fabuloso Museu do Côa e o moderno Centro de Alto Rendimento do Pocinho. Duas unidades que deverá visitar e deixar encantar-se!

Claramente que poderia falar-lhe ainda dos produtos regionais como os enchidos, dos passeios de barco no Douro ou até enunciar-lhe o Património Edificado deste concelho, mas fica para um próximo artigo.

Museu e Parque Arqueológico do Vale do Côa

Parque Arqueológico do Vale do Côa

“Este extraordinário conjunto rupestre distribui-se ao longo de dois eixos fluviais principais: o rio Côa, numa extensão de cerca de 30 kms, e também o rio Douro, ao longo de cerca 15 kms, para ambos os lados da embocadura do Côa. Conhecem-se já mais de mil rochas com manifestações rupestres, em mais de 70 sítios diferentes, com predomínio das gravuras paleolíticas, seguidas por motivos da Idade do Ferro, Época histórica e Pré-história recente, respectivamente.”

Vila Real está mais apaixonante

A facilidade com que se atravessa o Marão cria o pretexto para mais visitas à cidade. Vila Real não é propriamente uma metrópole, mas sofreu nos últimos anos um desenvolvimento significativo. Por lá encontrará um bonito casario erigido entre rios, o Corgo e o Cabril.

Cidade com muita vida notruna, muito devido aos estudante universitários que animam a cidade em tempo de aulas. Tanto a cidade como o distrito possui um interesse turístico bastante alargado, isto porque aqui destacam-se as rotas do Vinho do Porto, integrante do Rio Douro que é um Património Natural belíssimo. A cidade de Vila Real ostenta ainda um variadíssimo património edificado como é o caso da igrejas e museus.

No que toca à gastronomia, Vila Real é riquíssima, quer na pastelaria quer nos pratos. Da última vez que por lá ficamos conhecemos o restaurante “Terras de Montanha”, um espaço muito típico e que se situa mesmo no centro da cidade.  Aqui o espaço é decorado com pipas gigantes, que servem de mesa para as refeições. Muito original…. Na oferta gastronómica, essa aí ainda é mais original e variada. Sem dúvida um espaço para voltar.

terras de montanha

Outro local que gostaríamos de regressar é o Hotel Quinta do Paço. A uns escassos 4KM do centro da cidade, a quinta rural, toda ela remodelada oferece-lhe conforto e requinte. Aqui também poderá jantar ou almoçar, no seu restaurante também muito concorrido e agradável. O restaurante é certificado em carne maronesa, um dos pratos típicos de Vila Real.

Poderia falar-lhe em ir ao Peso da Régua pelas estradas vinhateiras, poderia falar-lhe de Sabrosa ou de Chaves, mas o melhor é deslocar-se até Vila Real e deliciar-se com cada momento e cada recanto , e descobrir por si próprio!

Peso da Régua