Monção situa-se na ponta mais a noroeste de Portugal, fazendo fronteira com Espanha e Valença. Apoiada entre o fértil vale do rio Minho e alguns declives montanhosos, aqui é propícia a prática de agricultura e viticultura, mas ideais também para a prática da pastorícia.

Festival do Cordeiro de Monção

Contudo, os temas escolhidos foram as festas e romarias monçanenses. Conhecido como “Foda à Monção”, nome muito apelativo, referimo-nos ao festival gastronómico do cordeiro. Normalmente realizado no mês de outubro, este certame tem como finalidade a manutenção da qualidade e a garantia da genuinidade deste prato com história e tradição no concelho de Monção.

Festival do Cordeiro de Monção

Festival do Cordeiro de Monção – Minho Digital

O nome artístico advém de expressões minhotas que eram proferidas no ato da compra dos animais, que por estarem bem alimentados (gordos), as gentes de Monção exclamavam: que foda!

“O termo tanto se vulgarizou que o prato passou a designar-se, localmente, por foda. De tal modo que é frequente, pelas alturas festivas (Páscoa, Corpo de Deus, Senhora das Dores e Natal ou Fim de Ano) ouvir as mulheres: Ó Maria, já meteste a foda?”

Corpo de Deus – Festa da Coca

Outro nome muito caricato é a Coca, uma expressão monçanense para a tradição religiosa ocorrida pela altura do Corpo de Deus (festa religiosa celebrada todos os anos na quinta-feira depois da Oitava do Pentecostes uma festa em honra do mistério da eucaristia, denominada Corpus Christi).

Segundo a tradição: “após o percurso pelos lugares do costume, a procissão recolhe à Igreja Matriz e o povo desloca-se em massa para o anfiteatro do Souto, onde terá lugar o torneio entre as forças do bem e do mal (da virtude e do pecado). O povo dispõe-se em redondel enquanto o cavaleiro S. Jorge, representando o bem, e a horrenda figura de um dragão conhecido por Coca, representando o mal, tomam posições”.

São Jorge em Luta com o Dragão (Coca)

São Jorge em Luta com o Dragão (Coca)

Basicamente, falamos-lhe de uma festa com base na história de São Jorge e o dragão, que lutam pelo bem e pelo mal, respetivamente. A analogia ao dragão é feita com a construção de um animal em tela, sobre uma armação de madeira e com rodas disfarçadas sob as patas pintadas como garras de unhas aguçadas, é exteriormente empurrado por 4 a 6 homens.

E porquê o nome Coca?

“Pode tal festa ser identificada com o nome de Coca por ser entre o bem e o mal e, no Minho, é vulgar ouvir-se a palavra Coca como sinónimo de raiva ou ódio. Festa da Coca seria assim a festa da raiva à maldade”.

Vinho Alvarinho

Berço do vinho Alvarinho, Monção é a capital de um dos melhores vinhos verdes portugueses, juntamente com Melgaço.

 

Prova de Vinho Alvarinho - Monção

Prova de Vinho Alvarinho

Com uma rota já delineada, um museu, uma feira e uma Real Confraria do vinho Alvarinho, Monção tem mais um motivo para ser visitada e aproveitada da melhor maneira. E uma das formas para o fazer é o Palácio da Brejoeira. O edifício classificado de Património Nacional desde 1910, é uma grandiosa construção e insere-se em 30 hectares que incluem ainda capela, bosque, jardins, vinhas e adega.



Fonte do Artigo: Câmara Municipal de Monção