Implantada numa das encostas da Serra da Estrela, ponto de defesa estratégico, Linhares da Beira faz parte da Rede de Aldeias Históricas de Portugal. Ergue-se no meio de paisagem bucólica respirando a brisa do Mondego.

Ao chegarmos a Linhares conseguimos imaginar a agitação daquelas ruas e vielas noutros tempos.

A aldeia encontra-se bem conservada e o seu castelo domina a paisagem, do alto de um enorme maciço granítico.

Castelo e Muralhas de Linhares da Beira

O castelo de Linhares da beira é uma das mais notáveis fortalezas góticas do país e considerado uma das fortificações medievais mais importantes da Beira Interior.

Castelo de Linhares da Beira

Ergue-se hoje, majestoso, sobre um enorme maciço granítico. Foi Dom Dinis quem mandou edificar aquela que é considerada uma das mais importantes fortalezas góticas da Beira Interior.

Igreja Matriz de Nossa Senhora da Assunção

A Igreja Matriz original data do século XII, foi no entanto, durante o séc. XVI e a mando de D. João II, remodelada e nessa altura dedicado a Nossa Senhora da Assunção.

Igrela Matriz - Linhares da Beira

Casa da Câmara e Cadeia

Este Edifício de dois pisos, ornamentado com as armas de D. Maria (1777-1816), está enquadrado com outras construções municipais como o fórum e o pelourinho.

Nos tempos medievais terá funcionado como cadeia. Podemos comprovar isso observando a grade da janela inferior esquerda, ainda em perfeitas condições. Já foi escola e residência de professores e, atualmente, alberga as instalações da Junta de Freguesia de Linhares. Podemos observar no interior algumas peças decorativas de interesse histórico.

Antiga Hospedaria e Hospital da Misericórdia

Este edifício é um marco importante no que se refere à compreensão das solidariedades medievais.

Foi albergaria, depois hospital da Misericórdia… Serviu de apoio a pobres, peregrinos, doentes e a todos os que, de passagem ou vivendo em Linhares da Beira, necessitassem de abrigo ou de tratamento.

D. Sancho I, em testamento, contemplou esta albergaria com uma soma de 100 maravedis.

Nas extremidades do edifício podemos observar duas gárgulas, uma antropomórfica e outra zoomórfica, que a tradição local diz representarem o diabo e uma cabra. Daí nasceram várias lendas atribuídas a D. Lôpa, dita outrora proprietária desta casa que teria pacto com o diabo.

Calçada Romana / Estrada dos Almocreves

A Calçada Romana de Linhares da Beira esteve integrada na denominada Via da Estrela. Constituiu parte do troço que ligava Mangualde a Linhares seguindo para Videmonte.

Calçada Romana - Linhares da Beira

A calçada é pavimentada com blocos graníticos retangulares e desce até à Ribeira de Linhares, numa extensão quase contínua de 1300m e com uma largura média de 4m.

Fonte Barbosa

Fonte de mergulho ou de chafurdo, com planta quadrangular e ostentando o brasão da vila de Linhares da Beira. A abertura era em arco perfeito. Foi fechada por motivos sanitários.

Fonte de Mergulho e Fórum

A fonte é construída em pedra e exibe as armas do município. E o local de reunião da assembleia de homens bons de Linhares, onde se tomavam as decisões de carácter administrativo, legislativo e judicial.

Nestas assembleias os oficiais e homens bons de Linhares agiriam em conformidade com o texto da carta de foral que Linhares havia recebido.

O espaço de reunião, dito «fórum», monumento verdadeiramente singular no nosso país, está situado no “Largo do Pelourinho” e exibe uma construção granítica à qual se acede por três degraus.

No interior encontra-se uma mesa rodeada de bancos corridos, vendo-se por detrás o brasão de Linhares. Este espaço chegou a estar envolvido por uma armação em madeira, coberta com telha, para melhor proteger os homens que aí deliberavam.

É interessante verificar que está assente sob uma nascente de água, com abertura em arco quebrado, apresentando no seu interior uma cobertura em abóbada.

Fonte de São Caetano

A fonte foi restaurada em 1829, segundo se pode ler na inscrição ali gravada. Ostenta as armas reais com uma coroa e possui um nicho que abrigava a imagem de S. Caetano, hoje desaparecida. Termina, no topo, com uma cruz.

Igreja da Misericórdia

A Igreja da Misericórdia ergue-se no local da antiga paróquia de Santo Isidoro. Vestígios românicos podem ver-se no portal lateral em arco quebrado e na fresta que ilumina a capela-mor.

Em 1576 acolheu a Misericórdia sofrendo remodelações até ao século XVII. A Igreja de Santo Isidoro é mencionada na taxação de 1320 e dela subsiste, como marca mais assinalável, o portal lateral com um tímpano decorado geometricamente.

Igreja da Misericórdia - Linhares da Beira

Apesar das alterações de que foi sendo alvo, em especial nos inícios do século XVII (1622), esta igreja oferece alguns detalhes de muito interesse, como a justaposição de diversas estruturas, o corpo do campanário, a igreja e a sacristia.

De nave única e três altares, o seu teto tripartido de madeira pintada e a capela-mor, revestida de caixotões também de madeira pintada, convidam a uma visita atenta. O coro, em madeira, tem um púlpito de talha que ainda mantém as escadas de acesso.

No pavimento, há dois túmulos com as respetivas epígrafes, sendo um deles de 1610. Como pontos de interesse assinalam-se ainda um inquietante Cristo articulado e algumas pinturas que geralmente se atribuem à escola de Grão Vasco, com destaque para a “Adoração” e a “Fuga para o Egipto”. Nela se depositam, igualmente, as bandeiras da Misericórdia que desfilam, ainda hoje, nas procissões.

Pelourinho

Pelourinho quinhentista de ornamentação manuelina com a esfera armilar e uma cruz. A sua expressiva verticalidade é o símbolo da personalidade jurídica do concelho. Por vezes nele eram aplicados castigos públicos, para servirem de exemplo da justiça concelhia.

Este Pelourinho está relacionado com a concessão do foral manuelino de 1510. Nele podia ter lugar a aplicação de certos castigos, mas nunca a execução de qualquer sentença de morte.

Ainda restam vestígios do que poderá ter sido uma argola de ferro onde se prendiam os prevaricadores. Mas a sua presença servia para lembrar o direito do concelho a uma justiça própria que punindo os infratores se necessário, tenderia a manter a ordem e a paz internas.

O pelourinho de Linhares tem uma base octogonal de três andares, o primeiro com o dobro da altura dos restantes. A coluna compõe-se de uma base quadrangular, decorada com esferas, e de um fuste octogonal. O capitel, em forma de cone invertido, exibe uma decoração própria da época manuelina, com uma ornamentação baseada em folhagens, que culmina com o coroamento da esfera armilar e uma cruz.

Solar Corte Real

Data do século XVIII, imponente na sobriedade do seu traçado, é rematado por uma cornija em que se inscreve um brasão. Nos anos 40 do século XX o edifício ficou profundamente danificado, tendo sido restaurado e hoje dá lugar a uma unidade de alojamento.

Solar Pina Aragão

Solar Setecentista, com uma provável raiz construtiva no século XVI, localiza-se no alto da vila e ostenta brasão em pedra com as armas da família.

O edifício é constituído por uma extensa frontaria com três zonas distintas na fachada principal, apresenta dois pisos e a planta que sustenta a construção é de forma retangular.

São conhecidas algumas figuras de renome na localidade ligadas a esta família, tais como o setecentista Luís de Pina Aragão, superintendente das Coudelarias da Guarda e João de Pina Aragão, médico já no século XIX.

Enquadramento de Linhares da Beira

A freguesia de Linhares da beira é uma freguesia portuguesa pertencente ao concelho de Celorico da Beira.

Ocupa uma área de 15,71 km² e tem, segundo os censos de 2011, 259 habitantes e uma densidade populacional de 16,5 hab/km².

Foi vila e sede de concelho com foral concedido em 1169 po D. Afonso Henriques. O concelho foi extinto em 1855. Tinha, de acordo com o censo de 1849, 7 079 habitantes em 174 km² e 12 freguesias. Em 1801 tinha 5087 habitantes em 164 km² e 13 freguesias.


Fonte do Artigo: Aldeias Históricas de Portugal