Os 5 temas selecionados estão intimamente relacionados com os costumes e tradições brigantinas.

Castelo

É regular, em Portugal, verificarmos fortificações próximas da fronteira com o país vizinho. E o Castelo de Bragança não é exceção.

“Construído ainda no reinado de D. Sancho I (concessor do 1º foral em 1187) D. Dinis, nos fins do séc. XIII, teria mandado construir o primeiro castelo (mais um “castelo novo” dos muitos que foram edificados no seu tempo), afirmando-se, assim, a importância do aglomerado.

Quando visitar o lugar ficará espantado com a conservação de todo o local, inclusive das casas aglomeradas no perímetro da muralha. É um edifício grande, bonito, com cafés e restaurantes para poder apreciar cada momento deste local fantástico.

Rio de Onor

Aldeia emblemática de Bragança, em Rio de Onor as suas gentes usam um dialeto muito próprio (o rionorês). O uso deste dialeto é para fazer jus à memória, ao orgulho do seu passado e das suas tradições.

Inserida na extensão do Parque Natural de Montesinho é, é uma aldeia simbólica, com casas típicas serranas em xisto com varandas muito mimosas, tudo muito bem recuperado.

Aldeia bastante turística, aqui encontrará pontos turísticos fantásticos e singulares, bem como um local para dormitar ( o Parque de Campismo Rural de Rio de Onor).

Aldeia de Montesinho

A norte da cidade de Bragança, na fronteira com Espanha, a aldeia de Montesinho partilha o nome com a serra que a acolhe. A 1000 metros de altitude, Montesinho é uma aldeia típica transmontana, que lhe transmitirá serenidade, e o seduzirá! Passe uns dias instalado numa das casas adaptadas para turismo, em granito, com telhados em lousa e varandas em madeira, muito tradicionais nesta região. Por aqui as paisagens são de cortar a respiração, destacando-se a paisagem a barragem da Serra Serrada.

Gastronomia

A gastronomia de Bragança destaca-se pela origem dos ingredientes e pela qualidade dos produtos. Cozinha de confeção relativamente simples, damos-lhe o exemplo da saborosa posta de vitela mirandesa (temperada com sal e colocada nas brasas) é um pitéu de salivar por mais.

Os pratos de caça confecionam-se de maneira tradicional, de onde saem aromáticos estufados paladares únicos e muito típicos.
Na mesa transmontana nunca faltam os enchidos como as alheiras, chouriças, salpicões, presuntos, chouriços de mel, e também o típico butelo que, acompanhado pelas casulas (cascas de feijão secas), é rei do festival gastronómico realizado na cidade por esta altura.
Região de soutos, é pelo outono que chegam os cogumelos e as castanhas, que marcam presença nas ementas regionais. Pode esquecer-se de alguns pormenores, mas da gastronomia brigantina já mais!

Arte Urbana

A nova tendência cultural, a arte urbana, também já é um marco na cidade de Bragança. Com o cunho de um dos principais artistas portugueses da atualidade, Bordallo II, inova nos cenários das cidades, reciclando vários materiais que supostamente, já não teriam mais vida.

Em Bragança, o artista optou pela construção de dois animais, na mesma rua, que por sinal uma das ruas mais movimentadas de Bragança. Uma doninha e um camaleão (intitulado Camuflagem Urbana) foram os bichos escolhidos para ornamentar as paredes brigantinas. Estas duas obras são dignas de serem contempladas após um passeio pela cidade.



Fonte do Artigo: Câmara Municipal de Bragança