Castelo de Sortelha

A “aura” medieval de Sortelha

O nosso ponto de partida para hoje são as Aldeias Históricas de Portugal. Já aqui falamos deste projeto que é uma das jóias do território português, as 12 aldeias localizadas no centro de Portugal e que contêm em si toda a sua originalidade e autenticidade.

Há uns meses falamos-lhe dos 5 Motivos para se fascinar com a nobreza de Almeida, e da  beleza e o requinte natural de Figueira de Castelo Rodrigo. Por aqui, continuaremos no distrito da Guarda, mas desta vez vamos para o concelho do Sabugal, mais especificamente, na Aldeia Histórica de Sortelha.

Sortelha

Dista cerca de 30KM da Covilhã, a 13KM do Sabugal e  localizada aproximadamente a 18KM da cidade de Belmonte, Sortelha é uma das aldeias históricas mais bem conservadas de Portugal.

Castelo de Sortelha

Castelo de Sortelha

Com a sua fisionomia urbana e arquitetónica intacta até hoje, Sortelha é uma das mais belas,  antigas e bem conservadas vilas portuguesas. Palco de séries televisivas e notícia em alguns meios de comunicação conhecidos internacionalmente, como é o caso da Revista National Geographic.

“O projecto Aldeias Históricas, iniciado há quase duas décadas, em 1994, e que integrou na mesma rede Almeida, Belmonte, Castelo Mendo, Castelo Novo, Castelo Rodrigo, Idanha-a-Velha, Linhares da Beira, Marialva, Monsanto, Piódão, Sortelha e Trancoso, num total de quase onze mil habitantes, de acordo com o último Censo. Há um século, porém, no primeiro Censo da República (1911), vivia aqui praticamente o mesmo número de pessoas: 12.131.” (National Geographic)

Por entre muralhas, Sortelha esta repleta de casas e do seu imponente castelo, bem como ruelas estreitas e cuidadas em que o terreno o obrigará a cuidados devido à sua irregularidade. Com vista sobre a Serra da Estrela, Cova da Beira e Belmonte, com a paisagem e o sossego que o deslumbraram.

O que deverá visitar:

Em Sortelha, não deixe de visitar:

  • O castelo e a cintura de muralhas
  • Os Passos de Via Sacra
  • A igreja matriz, dedicada a Nossa Senhora das Neves
  • As capelas de São Sebastião e de Santiago
  • O antigo Hospital da Misericórdia e a Igreja da Misericórdia
  • Os inúmeros solares e casas senhoriais existentes por toda a povoação
  • “Pedra do Beijo” e “Cabeça da Velha”, dois penedos graníticos com formas invulgares (Centro de Portugal)

 

Bracejo

Poucas são as pessoas que dominam a arte da tecelagem do bracejo, com técnicas artesanais e utilizando uma matéria prima abundante na região. Partindo desta premissa foi assim que as Aldeias Históricas de Portugal dinamizaram um projeto chamado “Entrelaços”, que tem como objetivo promover este saber local, integrá-lo no quotidiano mas com linhas modernas e criar pequenas soluções de comercialização, susceptíveis de gerar mais emprego nesta região.

“O Projecto Entrelaços, materializado na Aldeia Histórica de Portugal de Sortelha, começou o ciclo produtivo de uma linha de mobiliário e de decoração com Marca Aldeias Históricas de Portugal. O percurso marcado por diversas acções de concertação entre agentes, criação de protótipos, teste de produto no mercado, sessões de esclarecimento, workshops e acções de formação-acção, prossegue agora com a criação de 5 postos de trabalho directos (4 artesãos e um coordenador). Aliar a técnica tradicional, à utilização de recursos endógenos (bracejo) e à criatividade dos designers foi o desafio deste projeto.” (AHP)

 

Onde comer

É um local histórico mas aqui também se degustam iguarias típicas e modernas, como é o caso do restaurante Casa da Esquila. Com buffet ou com menu de degustação, o restaurante prima pela excelência e bem servir, sendo detentor de um espaço amplo e confortável. Com muitos clientes aqui aconselha-se que vá cedo para conseguir uma mesa para almoço. Caso a eleição seja um menu de degustação convém antecipadamente fazer a marcação. Mas o restaurante não fica mesmo na aldeia histórica, o que o obrigará a fazer media dúzia de quilómetros para se deslocar até lá.

Caso a deslocação de carro esteja fora dos plano poderá optar pelo restaurante Dom Sancho ou o Celta, locais de repasto que ficam à volta da muralha.

 

Mó - Museu do Pão em Seia

Museu do Pão em Seia! Bem-vindos ao Mundo Encantado do Pão

O Museu do Pão é um museu privado, sediado na Quinta Fonte do Marrão em Seia na Serra da Estrela. O principal objectivo deste museu é a recolha, a preservação e a exibição dos objetos e do património do pão português nas vertentes: etnográfica, política, social, histórica, religiosa e artística.

A história do Museu do Pão

O inicio do projecto remonta a 1996 e surgiu na sequência das sinergias criadas entre alguns historiadores, empresários e docentes. O museu abriu a 26 de Setembro de 2002.

A recolha de espólio é continua e dura desde a fase de projeto, quer através de compra em antiquários, alfarrabistas e leilões, quer através de doações. Segundo os responsáveis “a constante renovação do Museu é condição indispensável para a plena prossecução dos seus objectivos.”

Museu do Pão - Edifício

Museu do Pão – Edifício – www.museudopao.pt

O complexo museológico é um espaço com mais de 3.500 m2 de área coberta, resultado da reconstrução e ampliação de um edifício já existente, utilizando materiais típicos da região, como a madeira e a pedra, de modo a integrar o imóvel na paisagem serrana envolvente. O Museu do Pão é um dos maiores “Museus do Pão” do mundo.

Sala Ciclo do Pão

Nesta sala encontra-se reconstituído o tradicional ciclo do pão português através de catorze painéis ilustrados, a que se juntam as alfaias e os utensílios retratadas em cada painel. Assim, aqui surgem os espaços da produção do pão, seus trabalhos e momentos.

Sala Ciclo do Pão

Sala Ciclo do Pão – www.museudopao.pt

Para além dos painéis ilustrados e dos utensílios, recria-se ainda nesta sala uma antiga padaria portuguesa com a utilização de modelos em tamanho real. Podemos também observar três moinhos em contínua laboração, cujo som ainda mais nos remete para um passado tão perto e, contudo, já tão distante

Sala Arte do Pão

Sala onde existe uma exposição de objetos artísticos inspirados no pão: azulejaria, vidro, arte sacra, madeira, postais antigos, diplomas, calendários, iconografia, cerâmica, prata, etc…

Destacamos ainda os quadros, dedicados ao pão, do pintor português Velhô.

Sala Arte do Pão - Museu do Pão

Sala Arte do Pão – Museu do Pão – www.museudopao.pt

Pão Político, Social e Religioso

A história do pão em Portugal desde a Restauração da Independência (1640) até à Restauração da Democracia (1974) é o tema principal desta sala. São aqui reproduzidos cerca de 300 anos de História em inúmeros documentos.

Sala Pão Político, Social e Religioso - Museu do Pão

Sala Pão Político, Social e Religioso – Museu do Pão – www.museudopao.pt

Podemos observar também a simbologia do pão na religião, através dos objetos religiosos associados ao cristianismo e ao judaísmo expostos.

Espaço Temático

O Museu do Pão em Seia dispõe ainda de um espaço dedicado aos visitantes mais novos. Trata-se de uma sala didática onde podemos encontrar os gnomos da tribo dos Hérmios, protetores dos primeiros habitantes dos Montes Hermínios, que nos levarão a uma viagem imaginária e mitificada ao passado do pão.

Espaço Temático - Museu do Pão

Espaço Temático – Museu do Pão – www.museudopao.pt

Nave de Santo António - Serra da Estrela - Manuel ferreira

Serra da Estrela, fonte de todas as verdades locais

A Serra é mesmo um lugar fantástico…

A Serra da Estrela é um lugar… perdão, um conjunto de lugares absolutamente fantásticos. A variedade é inigualável e transporta qualquer visitante para a sua própria história.

Fotogaleria de Manuel Ferreira

Perdoem-me a paixão com que falo da “Serra”! Não o faço apenas por ser serrano, faço-o principalmente porque em cada vez que resolvo “subir a serra” me vejo envolvido num enredo de uma história completamente diferente.

Já houve romances… já houve aventuras… já houve comédias e até tragédias… Os atores destas histórias foram vários mas a protagonista foi sempre a mesma… A Serra.

É impressionante o poder que ela tem para conduzir a nossa mente… é irreal a forma como nos faz sentir os elementos quando respiramos, imaginar seres místicos quando observamos, criar fantasias enquanto saboreamos, cantarolar enquanto ouvimos ou recordar quando tocamos…

Assim falava Miguel Torga Sobre a Beira e a Serra da Estrela

“Alta, imensa, enigmática, a sua presença física é logo uma obsessão. Mas junta-se à perturbante realidade uma certeza ainda mais viva: a de todas as verdades locais emanarem dela. Há rios na Beira? Descem da Estrela. Há queijo na Beira ? Faz-se na Estrela. Há roupa na Beira? Tece-se na Estrela. Há vento na Beira? Sopra-o a Estrela. Há energia elétrica na Beira? Gera-se na Estrela. Tudo se cria nela, tudo mergulha as raízes no seu largo e materno seio. Ela comanda, bafeja, castiga e redime. Gelada e carrancuda, cresta o que nasce sem a sua bênção; quente e desanuviada, a vida à sua volta abrolha e floresce. O Marão separa dois mundos — o minhoto e o transmontano. O Caldeirão, no pólo oposto de Portugal, imita-o como pode. Mas a Estrela não divide: concentra.”

Herman Melville e o misticismo da Serra, em “Moby Dick”

Aqui, a verdade da vida iguala a lenda, mesmo quando se trata de uma velha história como a da Serra da Estrela em Portugal, onde se diz existir perto do cume um lago em cuja superfície flutuam as carcaças de navios naufragados no oceano…”

Vergílio Ferreira, em “A Estrela”

Um dia, à meia-noite, ele viu-a. Era a estrela mais gira do céu, muito viva, e a essa hora passava mesmo por cima da torre. Como é que não a tinham roubado? Ele próprio, Pedro, que era um miúdo, se a quisesse empalmarm era só deitar-lhe a mão. Na realidade, não sabia bem para quê. Era bonita, no céu preto, gostava de a ter. Talvez depois a pusesse no quarto, talvez a trouxesse ao peito. E daí, se calhar, talvez a viessa a dar à mãe para enfeitar o cabelo. Devia-lhe ficar bem, no cabelo.

Vila Madeiro – A chama natalícia de Penamacor

Começar a falar da maior vila madeiro em Portugal sem antes respondermos a algumas questões não seria correto. Portanto, e sem mais demoras…

O que é um madeiro?

Troncos de madeira aglomerados, tornados numa grande fogueira,  que normalmente é colocada no adro da igreja, onde a população se reúne à sua volta.

Qual a tradição?

Segundo se ouve contar, o madeiro que por norma é acesso no dia 24 de dezembro, em noite de consoada, tem como simbolismo “aquecer o Menino Jesus”.

Locais típicos do Madeiro?

Tradição típica do interior do país, a queima do madeiro é uma celebração da época natalícia, que se realiza sobretudo entre Trás os Montes e o Alto Alentejo, abrangendo localidades dos distritos de Bragança, Guarda, Castelo Branco e Portalegre. É no distrito de Castelo Branco, em Penamacor, que é feito o maior e mais conhecido madeiro nacional.

Vila Madeiro

 

Vila Madeiro

Em 2017, são os rapazes nascidos em 1997 que estão encarregues de fazer acontecer uma das mais antigas tradições raianas, o madeiro. Os rapazes que completam 18 anos, são os responsáveis pela angariação das raízes e troncos de madeira, que depois alimentarão a chama natalícia. Toda esta cerimónia é antecedida de uma arruada, ou se quiserem uma marcha com os “frutos” adquiridos pelos jovens penamacorenses. A madeira é extraída da terra, levada até ao centro da vila, e lá depositada com ajuda de maquinaria como gruas, reboques, e vários tratores. Já longe vai o tempo em que todo o método seria manual e com a força dos rapazes. Mudaram-se os tempos e até a tradição, visto que as raparigas da mesma idade, são igualmente chamadas para a elaboração desta festividade.

Os troncos do madeiro são transportados para junto da Igreja num cortejo que é habitualmente muito participado, e só dia 23 de dezembro, pela meia-noite é que se acende a tradicional fogueira de Natal. Noutros locais do interior português o madeiro é acesso no dia 24 de dezembro, à exceção de Penamacor, que começa um dia antes. Aqui a fogueira, e devido ao seu tamanho, fica com chama durante vários dias.

De facto, é ao dia 8 de dezembro, que a população corre abundatemente à rua para saudar a marcha de tratores e reboques, onde a juventude se empoleira nos troncos, e como manda a tradição, atiram laranjas e cantam acompanhados por concertinas.

 

Programa Vila Madeiro- Penamacor

Em ano solidário, a celebração deste ano tem como mote “Natal na floresta”. Destaque desta festividade vai ainda para os espetáculos, a animação, os presépios vivos, as tasquinhas de gastronomia, os espaços de exposição, o mercado de Natal disponível todos os dias, entre outras atividades. As ruas pela Vila de Madeiro estão bem ornamentadas, com muitas árvores e decorações, e que mostram toda afeição e trabalho de todos os intervenientes.

 

Capela dos Ossos, Évora

A intrigante Capela dos Ossos em Évora

A cidade de Évora é uma cidade repleta de monumentos históricos. Entre eles há um que se destaca pela inquietude que provoca a que o visita. Falamos, pois claro, da  Capela dos Ossos de Évora, um dos pontos de interesse turístico mais visitados da cidade.

A Origem da Capela dos Ossos

Reza a história que, durante o século  XVI, existiam cerca de 40 cemitérios na região de Évora. Cemitérios que ocupavam terrenos estratégicos para o crescimento da região e que rapidamente começaram a ser cobiçados, com o intuito de os utilizar para outros fins.

Consta que os monges franciscanos que por lá residiam nessa época, sempre ligados às questões mais espirituais da existência humana, procuraram “provocar pela imagem a reflexão sobre a transitoriedade da vida humana e o consequente compromisso de uma permanente vivência cristã”, aspectos intrinsecamente ligados à celebração da morte e próprios do período barroco que se vivia e procuraram simultaneamente resolver o problema colocado pela desocupação dos cemitérios.

Capela dos Ossos

Capela dos Ossos – Boris Kasimov/CC BY 2.0

A capela foi erigida e as paredes e pilares que a constituem foram meticulosamente revestidos com os ossos e caveiras humanas recolhidos dos referidos cemitérios.

O “conceito” pode ter sido baseado no Ossário de San Bernardino alle Ossa em Milão na Itália e acabou por ganhar alguma força no Sul de  Portugal, onde existem várias outras capelas de ossos, por exemplo em Faro, em Campo Maior e Monforte.

Arquitetura da Capela dos Ossos

A capela, construída no local do primitivo dormitório é formada por 3 naves de 18,70 m de comprimento e 11m de largura, entrando a luz por três pequenas frestas do lado esquerdo. As abóbadas são de tijolo rebocado a branco, pintadas com motivos alegóricos à morte.

Capela dos Ossos, Évora

Capela dos Ossos, Évora, fotografia por Feliciano Guimarães

É um monumento de uma arquitectura penitencial de arcarias ornamentadas com filas de caveiras, cornijas e naves brancas.

“Nós ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos”.

Além das paredes e pilares ornamentados com os ossos e crânios humanos, foram contabilizados cerca de cinco mil, existem ainda dois esqueletos completos pendurados por correntes numa das paredes. Um dos esqueletos é duma criança.

Esqueletos Pendurados na Capela dos Ossos em Évora

Esqueletos Pendurados – Patricia Feaster/CC BY 2.0

As ossadas dos 3 Monges também descansam na capela, dentro de um pequeno caixão branco junto ao altar.

Ossadas dos Monges – Ken & Nyetta/CC BY 2.0

“Nós ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos”. Esta é a inscrição que podemos encontrar sobre a porta de entrada da Capela dos Ossos.

Inscrição na Entrada da Capela dos Ossos

Inscrição na Entrada da Capela dos Ossos – Nuno Sequeira André/CC BY-SA 2.0

A capela é dedicada ao Senhor dos Passos, imagem conhecida na cidade como Senhor Jesus da Casa dos Ossos.

Poema inscrito no interior da Capela dos Ossos, de Padre António da Ascensão Teles

Aonde vais, caminhante, acelerado? Pára…não prossigas mais avante; Negócio, não tens mais importante, Do que este, à tua vista apresentado. Recorda quantos desta vida tem passado, Reflecte em que terás fim semelhante, Que para meditar causa é bastante Terem todos mais nisto parado. Pondera, que influído d’essa sorte, Entre negociações do mundo tantas, Tão pouco consideras na morte; Porém, se os olhos aqui levantas, Pára…porque em negócio deste porte, Quanto mais tu parares, mais adiantas.

Notas

Entre julho de 2014 e outubro de 2015, a capela passou por obras de restauração de danos ocorridos com o tempo e construção de um museu de arte sacra e outro para exposições temporárias.

 

The Presidential, “A mais espantosa experiência do País”

The Presidential, foi o nome dado a esta experiência fantástica, que contempla a viagem a bordo de um comboio através da mítica Linha do Douro, completada com um serviço de catering luxuoso, a cargo de alguns dos mais talentosos chefs mundiais.

Chef Dieter Koschina, Edição Inaugural, The Presidential

Chef Dieter Koschina, Edição Inaugural, The Presidential

A viagem começa na emblemática Estação de São Bento e a composição ferroviária escolhida foi noutros tempos utilizada pelos presidentes da República.

Recentemente foi recuperada pelo Museu Nacional Ferroviário e transformada num comboio turístico de luxo.

The Presidential foi o vencedor dos Best Event Awards 2017

Em 2017 ganhou o Best Event Awards 2017. O projecto português ficou em primeiro lugar,  entre as 296 candidaturas apresentadas de 27 países. Ficou, por exemplo, à frente das candidaturas da França e dos Emirados Árabes Unidos, o segundo e terceiro classificado, respectivamente.

The Presidential, o magnífico comboio presidencial português

The Presidential integra um conjunto de carruagens,que fizeram parte do comboio real português. Datam de 1890 e foram modernizadas ao longo dos tempos. Integra também algum material comprado à Alemanha nos anos 30 do século XX.

É ainda uma das jóias da coroa do património ferroviário Português. O Comboio Presidencial transportou Presidentes, Chefes de Estado, Reis e Papas durante mais de um século.

Foi construído em 1890, e serviu a corte do rei D. Luís I como o Comboio Real. Recebeu a bordo convidados de honra como a rainha Isabel II e o Papa Paulo VI. No inicio do século foi rebaptizado e passou a designar-se “Comboio Presidencial” . Transportou os Chefes de Estado portugueses até 1970, altura em que foi oficialmente retirado de circulação.

Magnificamente restaurado em 2010, o mobiliário e charme que o tornaram icónico mantêm-se intactos e está desde então em exposição no Museu Nacional Ferroviário como a mais emblemática peça da nossa história ferroviária.

Três ingredientes perfeitos

Segundo Gonçalo Castel-Branco a conjugação perfeita. “Limitei-me a juntar o que já existia: esta paisagem fantástica que é o Douro já existia, a linha já existia, o comboio já existia, o Vesúvio também já cá estava. Eu só convidei os chefs, montei o evento e resultou nisto”

Gonçalo Castel-Branco, The Presidential

Um comboio muito especial, luxo de outros tempos

The Presidential é como uma cápsula do tempo na qual viajamos através da história numa atmosfera de luxo e conforto. Quando se ouve o seu som distinto, eis que surge o seu exterior imponente, e ao entrar a bordo das suas luxuosas carruagens não há como não se sentir realeza. Resgatado ao passado, está de novo em movimento e é protagonista de viagens inesquecíveis.

Os melhores chefs do mundo, paladares mágicos

A gastronomia é uma forma de arte muito especial e os Chefs são os artistas do séc. XXI. Através das suas criações, os melhores Chefs do mundo têm a capacidade de manipular os nossos sentidos e acordar as nossas emoções com experiências ricas e envolventes.

Locais maravilhosos para visitar de comboio

Outrora um meio de transporte revolucionário, os comboios e as suas linhas oferecem aos viajantes perspectivas únicas e acessos privilegiados, expondo locais e recantos originais e extraordinários. Existem linhas ferroviárias que são verdadeiros tesouros por explorar.

Em setembro de 2017 a Forbes publicou um artigo: A Rolling Royal Feast in Portugal: The Presidential Train

Consulte mais informação sobre preços e atividades

Guarda Cidade Natal 2017

Guarda Cidade Natal 2017. Ainda mais aconchegante!

A Guarda Cidade Natal 2017 abre oficialmente no dia 1 de dezembro, pelas 17h00, com música, acrobacias, circo, cuspidores de fogo e muitas surpresas. A entrada faz-se pelos pórticos da Rua do Comércio e da Rua da Torre. Na sessão de abertura vão estar várias personagens do imaginário infantil como a Bolacha de Gengibre e o Soldadinho de Chumbo. Malabaristas, Acrobatas, Bailarinas são outras figuras do universo natalino que participarão da festa. Não podemos esquecer o Pai Natal, que chegará, nesta edição, à sua Cidade Natal de Tuk Tuk!

Atividades e Animações Previstas na “Guarda Cidade Natal 2017”

A Praça Luís de Camões (Praça Velha) será uma vez mais o centro de toda a animação da Guarda Cidade Natal 2017. É lá que será instalada a grande novidade desta edição, uma rampa de gelo com cerca de 24 metros de comprimento,  que promete divertir e encher de adrenalina sobretudo o público mais jovem.

Não podia faltar a Casa do Pai Natal, onde o próprio irá receber as crianças e todos os seus pedidos, a árvore de natal, que nesta edição conta com 13 metros de altura e será inspirada nos cristais de gelo, o habitual Carrossel Parisiense e o sempre mágico Globo de Neve.

Como pano de fundo, a Guarda Cidade Natal 2017 terá a sempre linda e monumental Sé da Guarda, vestida a preceito com iluminação adequada à ocasião.

Outras Iniciativas Relevantes

À Cidade Natal juntam-se ainda muitas outras iniciativas de cariz económico e socia: O Concurso de Montras da Guarda, com os estabelecimentos comerciais da cidade; A iniciativa “Cidade de Cristal” que conta com a colaboração de 47 Instituições do Conselho Local de Ação Social e com 71 escolas e Jardins de Infância do concelho, do ensino público e privado; O espetáculo das Janeiras, a 6 de Janeiro, com as coletividades do concelho; O musical de Natal “O Mundo de Plimplix” nos dias 4 e 5 de janeiro para as crianças das escolas.

Concurso de Montras de Natal, Guarda Cidade Natal 2017

O Concurso de Montras de Natal decorre de 1 a 30 de dezembro e as lojas que desejem concorrer deverão fazer a sua inscrição até 27 de novembro no sítio de internet do Município. A melhor montra ganhará 1000 euros e o vencedor será anunciado a 6 de janeiro, no encerramento do programa de animação de Natal.

Concurso de Montras de Natal - Guarda Cidade Natal 2017

As montras serão avaliadas entre 1 e 30 de dezembro por um júri, mas também pelos munícipes que assim o desejem, através de site do município. Os critérios de avaliação serão a originalidade, a criatividade, a harmonia estética do conjunto, as cores e materiais utilizados e a Iluminação.

“Cidade de Cristal”

A “Cidade de Cristal” é um desafio que o Município fez às escolas e instituições do concelho para a realização de um Vitral que representasse as cores, as imagens e a alegria do Natal. O resultado pode ser visto no Jardim José de Lemos entre 1 de dezembro e 6 de janeiro.

As Janeiras e “O Mundo de Plimplix”

Os espetáculos das Janeiras, irão decorrer todos no TMG. Nos dias 4 e 5 realizam-se com as crianças das escolas do concelho da Guarda que irão também assistir ao espetáculo de Natal “O Mundo de Plimplix” e a 6 de janeiro o município volta a juntar coletividades do concelho, 22 nesta edição, para o espetáculo de encerramento do programa de Natal. O palco será transformado numa enorme sala e os diálogos entre os convivas criam a oportunidade para cada grupo desfilar, apresentando a sua canção de Janeiras. O espetáculo é orientado pelo músico César Prata.

Programa da Guarda Cidade Natal 2017

Com o programa de animação de Natal, a autarquia liderada por Álvaro Amaro pretende “dar ainda mais vida à Guarda, atraindo visitantes, revitalizando o coração da cidade, estimulando o comércio de proximidade, envolvendo as instituições públicas e privadas e, ao mesmo tempo, devolver a autoestima aos guardenses, despertando o espírito natalício, próprio desta época festiva”.

[em desenvolvimento]

 

Edição 2016 (vídeo por Beira Alta TV)

Óbidos Vila Natal 2017

Óbidos Vila Natal 2017, 5 coisas que deve saber

Entre os dias 30 de Novembro e 31 de Dezembro de 2017, a Vila de Óbidos volta a encher-se de brilhos, estrelas, luzes, enfeites e outras quimeras que emolduram este quadro de Natal que faz o deleite de todos. Está já aí o Óbidos Vila Natal 2017.

Óbidos Vila Natal 2017

O ambiente é cuidadosamente preparado para reunir e entreter crianças e adultos. Gnomos, renas, bonecos de neve, árvores de Natal, estrelas e toda uma panóplia de personagens, prometem despontar da imaginação dos mais novos e a nostalgia dos mais velhos… sem esquecer, claro, o lendário Pai Natal.

Espectáculos em Óbidos Vila Natal 2017

Os dois palcos montados no recinto do Óbidos Vila Natal 2017, Palco Bolas de Natal e Palco Bolas de Sabão, serão o centro dos  fantásticos espetáculos de Natal preparados para esta edição. Teatros de marionetas, malabarismos, espectáculos de magia e animação, são alguns exemplos de momentos de muito riso e entretenimento de que todos poderão usufruir .

Mais informações sobre os espectáculos

Como se pode divertir no Recinto

A animação, presente um pouco por todo o recinto, faz parte do imaginário construído para o Óbidos Vila Natal 2017.

Óbidos Vila Natal 2016

Até 1 de janeiro de 2017, o evento Óbidos Vila Natal oferece a magia das mais conhecidas histórias infantis. A todos os visitantes, votos de um ano de 2017 cheio de ALEGRIA! Boas Festas 🙂

Posted by Óbidos Vila Natal on Thursday, December 29, 2016

Pode encontrar desde Pistas de Gelo, onde pode aprender a patinar ou simplesmente deslizar pelo gelo entre o frio e os flocos de neve, até a um simulador de realidade virtual, que lhe permitirá viver uma aventura de de terror ou fantasia, conforme o seu estado de espírito :).

Mais informações sobre as diversões no recinto

Literatura e Exposições

A cultura estará também presente um pouco por toda a Vila. Visite as livrarias de Óbidos ou aprecie as exposições patentes nos museus ou galerias da vila.

Participe também nos Workshops e contemple o indispensável Presépio de natal, em exposição na Capela de São Martinho.

Pacotes Hoteleiros Óbidos Vila Natal 2017

Algumas das unidades hoteleiras da região criaram pacotes de alojamento especiais para o evento.

Consulte os pacotes hoteleiros

Tarifas e Atividades Incluídas

A tarifa diária vai de 5€, para criança dos 3 aos 12 anos, até aos 7€, para todos com idade igual ou superior a 12 anos.

O bilhete diário dá direito a: Estrelas e Pintas [Pinturas Faciais] (≤12) ;  Saltos e Pinotes [Trampolins] (≥3) | (≤12) ; Palco Bolas de Sabão [Espetáculos]
; Avalanche [Rampa de Gelo] (≥4)
; Croquet do Vale [Jogo] (≥3)
; Casa do Lago [Jogo] (≥3)
; Duelo de Cotonetes [Jogo] (≥3)
; Jogo das Bolas [Jogo] (≥3)
; Cena de Natal [Presépio] 
; Palco Bolas de Natal [Espetáculos]; Chalet de Inverno do Pai Natal;

Há descontos para grupos e munícipes de Óbidos,

Consulte as tarifas e condições

Bilheteira

Óbidos Vila Natal, Edição de 2016

O Porto está melhor que nunca

O Porto é um combinado de hospitalidade e de bairrismo, um encafuado de casas à beira rio, um misto de cores e luz, um encontro de gerações.

Considerado o melhor destino europeu do ano 2014, a cidade nortenha é calorosa, afável e uma cidade muito fácil de se conhecer e de alguém se orientar.

Depois de toda a modernização da cidade e investimento no turismo, o Porto é um destino cada vez mais apetecível.

 

porto-barco-rabelo

Rio Douro – Barco Rabelo

 

Para conhecer o Porto, precisa no mínimo de três dias, e poderá começar pela Avenida dos Aliados, onde irá apreciar a monumentalidade dos edifícios envolventes. Estará próximo da Câmara do Porto, do Teatro Rivoli e do Teatro Sá da Bandeira, bem como da Estação de São Bento (considerada pela revista norte-americana “Travel+Leisure”, uma das 16 estações mais belas do mundo).

Exterior da Estação de São Bento, no Porto

Exterior da Estação de São Bento, no Porto – Peter

Depois aproveite para fazer umas compras na Rua Santa Catarina, rua emblemática do Porto, e visite a bonita Igreja de Santo Ildefonso. O mercado do Bolhão como fica próximo, dá-lhe a oportunidade de conhecer um local muito típico e característico do Porto, e fazer com que se entranhe nos costumes e gentes da invicta. Desfrutado o passeio, e certamente já com fome, vai subir a rua em direção à Torre dos Clérigos e vasculhar as ruas transversais, onde irá encontrar variadíssimos bares, cafés e restaurantes. Recomendo a Taberna Galeria de Paris, muito agradável, boa comida e de muito bom gosto.

No segundo dia, aconselho-o a conhecer a zona da Rotunda da Boavista, ir até à Casa da Música, uma casa de artes, com um design incomparável e contemporâneo. Ande mais um pouco e avistará o mercado do Bom Sucesso. No mesmo dia pode aproveitar e descer um pouco até à Foz, passear pelo esplendoroso Rio Douro, conhecer o Museu do Carro Elétrico, ou então ir até ao Museu do Vinho do Porto…

Inevitavelmente vai passar pela tão afamada Ribeira, aproveite, descanse, beba um café numa das esplanadas (são todas agradáveis) e contemple a vista esplendorosa que o rio oferece.

Não se esqueça de fazer a pé a Ponte Luis I e ir até Gaia, que é do outro lado do rio. Se já forem horas de jantar, não perca a oportunidade de degustar as iguarias do Restaurante “Bacalhoeiro”, um restaurante pequeno e requintado, com vista privilegiada para o Porto.

Porto: Ponte Dom Luis I

Porto: Ponte Dom Luis I

Nesta sua passagem pela Invicta, não pode deixar visitar a Fundação Serralves, o Palácio da Bolsa, a Sé do Porto, o Palácio de Cristal, o Majestic Café (único e magestoso) e ainda o Hard Club.

No que toca ao alojamento, estamos a falar de uma cidade já com alguma dimensão, por isso não irão faltar locais onde dormir e descansar. No entanto, sugiro o HF Ipanema Park ou o Hotel Fénix. O Porto está na vanguarda dos Hostels, por isso aproveite para conhecer alguns deles, que são bastante modernos e cheios de jovialidade.

No terceiro e último dia vá até à zona ribeirinha e faça o trajeto inverso ao do dia interior, conheça a zona nobre do Porto, que o irá maravilhar com a praia que banha aquela área. Conheça o Castelo do Queijo (Matosinhos) e toda a área envolvente, ao qual se junta o Parque da Cidade do Porto. No final do dia vá ao Capa Negra e delicie-se com uma bela francesinha.

No mês de março o jornal inglês Guardian escolheu o Porto como uma das cidades para a sua lista de Top 10 das escapadinhas alternativas na Europa, por isso não perca a oportunidade e conheça esta cidade cheia de história e de costumes!

Volvo Ocean Race Lisboa 2017

Dia 5 de novembro de 2017 na Doca de Pedrouços em Lisboa

Volvo Ocean Race Lisboa 2017. No percurso de circum-navegação desta competição, Lisboa vai receber os melhores velejadores do mundo e as mais experientes tripulações internacionais.

A localização geográfica única da capital portuguesa, enquanto porta de comunicação entre a Europa e o Atlântico, a sua vocação marítima e as suas condições naturais para prática de desportos náuticos, foram alguns dos fatores diferenciadores de Lisboa que conquistaram a organização da Volvo Ocean Race.

Volvo Ocean Race Lisboa, 3ª edição

Lisboa recebe a Volvo Ocean Race Lisboa pela terceira edição consecutiva.

Este ano falamos numa etapa de 7.000 nm, a partir de Lisboa, com início a 5 de novembro, em direção à Cidade do Cabo, na ponta sul do poderoso continente africano.

É uma corrida clássica do norte ao sul do Atlântico, passando por várias zonas climáticas.

Volvo Ocean Race Lisboa 2017

Com início a 11 de outubro de 2017 em Alicante (Espanha), a regata de circum-navegação Volvo Ocean Race termina a 30 de junho de 2018 em Haia (Holanda), passando por Lisboa, Cidade do Cabo, Melbourne, Hong Kong, Guangzhou, Auckland, Itajaí, Newport, Cardiff e Gotemburgo.

Desde 2016 o Volvo Ocean Race Boatyard está albergado na cidade. Trata-se de uma instalação permanente onde nossa equipa de especialistas em construção de barcos trabalha a tempo inteiro para preparar a frota para a edição 2017-18.

Pode visitar as instalações do Boatyard no Race Village. É um olhar fascinante sobre todo o trabalho que dá colocar os barcos prontos para a corrida.