A agradável praia de São Pedro de Moel

Para lá chegar aproveite e passe pela Marinha Grande, concelho a que pertence esta estância balnear.

Para quem anseia o verdadeiro descanso, São Pedro de Moel é o local indicado. Um local bastante pitoresco, praia abrigada numa concha de casas em redor, tranquila e bonita. Local indicado para levar as crianças de férias, pois é um local bastante amplo, sem confusões, nem trânsito, aqui conseguirá ler um livro descansado ou mesmo ver o pôr do sol!

Wikipedia

Wikipedia

Aqui para além de descansar pode andar de bicicleta pela pista em torno de São Pedro de Moel, assistir ou até mesmo jogar voleibol de praia e ténis.

Na mesa dos restaurantes encontrará variadíssimos mariscos, todos frescos, ou um belo peixe, como é o caso do robalo, safio ou a dourada. Se tiver oportunidade, antes de ir para casa, depois de um dia de praia, vá até às esplanadas circundantes e desfrute da vista, do ambiente e do crepúsculo em São Pedro de Moel. É realmente revigorante.

wikipedia

wikipedia

Nesta estância balnear poderá hospedar-se no Inatel, no famoso camping, no Hotel Miramar, ou no Hotel Mar e Sol & Spa. Espaços não faltam, e todos de boa a elevada qualidade.

Esta praia possui uma procura turística elevada desde os anos 60, o que por vezes leva a que muitos dos que por lá passam férias já se conheçam. É realmente um local de requinte, sem confusão e que o deixará com um brilhozinho nos olhos de saudade, isto porque estou convicta que vai querer regressar!

Só para amantes de bacalhau

Para quem gosta de um bom prato de bacalhau encontramos o lugar indicado para si…

Em Vila Nova de Gaia, com uma vista privilegiada sobre o Rio Douro e sobre a Ribeira do Porto, localiza-se o restaurante o “Bacalhoeiro”.

Pixabay

O nome da casa não deixa espaço para dúvidas, aqui come-se bacalhau. O fiel amigo da gastronomia portuguesa é rei na região das francesinhas!

No Bacalhoeiro, todos os pratos têm bacalhau, e são todos confecionados com muita imaginação e mestria. Quer procure um prato mais tradicional como o bacalhau com natas ou na brasa, ou se procura algo com toques de inovação e requinte, encontrará o bacalhau cremoso com gambas  ou com crosta de pão de milho e amêndoas. Fácil será provar um pouco de todas.

Restaurante descontraído, com decoração simples mas harmoniosa, o ambiente irá envolvê-lo e sentir-se-á em casa. O espaço não é muito grande, o que requer reserva ou requer que quando decida conhecer o espaço se desloque cedo para encontrar mesa.

Facebook "Bacalhoeiro"

Facebook “Bacalhoeiro”

O Bacalhoeiro não é nenhum restaurante propriamente barato, mas recordando-o das condições que oferece, como é o caso da disposição, do ambiente e sobretudo pela vista privilegiada e espetacular, não é um restaurante caro.

Este é um ótimo local para um jantar a dois ou em família! Aqui só lhe reservam coisas boas, bom atendimento, pratos bem servidos. ambiente limpo e acolhedor e acima de tudo um produto diferenciado.

Montalegre das barragens e do misticismo

Montalegre é efetivamente uma vila portuguesa que pertence ao distrito de Vila Real, mais concretamente à região de trás-os-montes. O município é limitado a norte por Espanha, a leste por Chaves, por Boticas, a sul por Cabeceiras de Bastos,  e a sudoeste por Vieira do Minho e a oeste por Terras de Bouro. Pois é, é limitado por terras do Parque Nacional da Peneda-Gerês, sendo cerca de 25% da área do concelho integrante deste parque. O concelho é uma das portas de entrada do Parque do Gerês.

Terra adormecida devido à sua localização, Montalegre possuí um castelo, que é de uma envergadura significativa, aqui encontrará um edifício da época medieval, rectangular, e constituído por quatros torres e ligado por muralhas. Local com espaços verdes circundantes e de boa conservação.

Mas Montalegre também é conhecido pelas sextas-feiras 13. Denominada pela “capital do misticismo”, a cada sexta-feira 13 de cada ano, “bruxas, demónios e figuras do além” invadem a vila. O evento atraí imensos visitantes à localidade.

Pixabay

Pixabay

Neste local com tão poucos habitantes, um dos maiores marcos foi sem dúvida a construção da barragem do Alto Rabagão (Pisões), construída no tempo do Estado Novo. Quem passar por Montalegre tem como ponto de visita obrigatório a Barragem do Alto Rabagão. Já agora também o elucido que fica em caminho do Parque Natural da Peneda-Gerês, por isso não se desviará muito do seu trajecto.

Vilarinho de Negrões, na Margem da Barragem do Alto Rabagão em Montalegre (Foto de www.ruralea.com)

O Eco-Museu do Barroso, a albufeira da Paradela, Tourém, a Serra do Larouco, ou a nascente do rio Cávado, são locais obrigatórios de visita. Não perca a oportunidade de conhecer duas regiões tão bonitas de Portugal em simultâneo.

Os recantos mágicos de Sintra

Sou uma fã incondicional de Sintra, isto porque é um local que respira cultura, é de uma magnificência única, de uma envolvência singular. É impossível ficar-se indiferente a este local de tamanha beleza.

A vila é Património Mundial da UNESCO e ainda é denominada como Paisagem Cultural, denominação que inclui a Serra de Sintra, o centro histórico, muitos monumentos históricos e a abundante vegetação natural e exótica dos parques que cercam a vila.

Posso mesmo afirmar que Sintra é luxuriante, a enorme beleza das suas paisagens, quintas, jardins, mosteiros e castelos. Em Sintra encontrará uma unidade cultural intacta, e que ao longo dos tempos tem sido imensamente bem conservada.

Pixabay

Pixabay

Sintra irá retratar-lhe num verdadeiro conto de fadas. Com dois palácios,  dignos de princesas e príncipes, a visita ao Palácio da Regaleira  (ou Quinta da Regaleira) e ao Palácio da Pena são visitas imperiosas. Este último possui uma das paisagens e vistas mais bonitas que vi até hoje, já a quinta da Regaleira é um verdadeiro mistério, é um local envolvente e fascinante.

Magníficos são ainda os travesseiros de Sintra e as queijadas, de crescer água na boca. São imensos os locais de visita, como é o caso do Palácio Nacional de Sintra ou de Monserrate. O complicado será não se perder com locais tão mágicos como estes.

Pixabay

Pixabay

Mas a Vila Sassetti é outro dos locais a serem conhecidos. É difícil pedir-lhe para calçar as sapatilhas e partir à descoberta dos locais mais recônditos, no entanto, estou convencida que seria muito mais produtivo ou proveitoso. Este pedido é sugerido no seguimento de existirem vários percursos pedestres, os quais indicamos-lhe um gratuito, em Vila Sassetti, onde é permitido aos visitante apreciar a estética naturalista de Manini. Por entre esta caminhada passará por locais deslumbrantes e avistará outros muito conhecidos como é o caso do Castelo dos Mouros.

Pixabay

Pixabay

Sintra é um daqueles destinos que poderá conhecer e voltar lá por várias vezes, mas que ficará sempre surpreendido. Existirá sempre algum recanto por desvendar, por isso desfrute e deixe Sintra dar-se a conhecer!

“Caminha” das mil e uma atividades

O Norte de Portugal está cada vez mais na moda, o que faz de cada um dos concelhos integrantes da região relíquias inigualáveis.
Neste artigo falamos-lhe da cidade minhota de Caminha, concelho com história com vestígios da era romana, mais concretamente dos Séculos IV e V. Esta terra de beleza singular é limitada a sul por Viana do Castelo, a norte pelo rio Minho, a nascente por Vila Nova de Cerveira e Ponte de Lima e a ocidente pelo Oceano Atlântico.

Câmara Municipal de Caminha

Câmara Municipal de Caminha

Caminha possuí a mais-valia de conseguir agradar a quase todos os gostos. A nível natural, a sua vegetação é diversificada e atraente, que percorre as correntes dos rios Minho, Coura e Âncora. Mas as praias de Caminha não lhe ficam atrás, como é o caso da Foz do Minho, Moledo, Vila Praia de Âncora e Gelfa. Moledo e Vila Praia de Âncora são as mais conhecidas, mas também as mais bonitas, com um cenário idílico, aqui encontrará a paz e a tranquilidade.
Mas as atividades desportivas, principalmente na natureza, são um dos grandes atrativos. Com trilhos bem delineados pela urbe ou pelas serras, ou pelas rotas históricas e religiosas em Caminha encontra uma transversalidade absoluta.
Caso procure um tempo em cidades, conhecer os costumes e as tradições, também encontrou o local indicado. O Minho é riquíssimo em hábitos e Caminha não é exceção. No artesanato, a madeira, o cobre e latoaria, a pintura, a cerâmica e os bordados são algumas das matérias primas que dão cor e forma a esta arte.

Câmara Municipal de Caminha

Câmara Municipal de Caminha

Como no Alto Minho se faz jus à tradição popular e religiosa, que se traduz em enumeras festas e romarias, Caminha não se deixa ultrapassar e dá-lhe a festa em honra de Santa Rita de Cássia, Nossa Senhora da Bonança, São Bento entre muitos outros.

Câmara Municipal de Caminha

Câmara Municipal de Caminha

Esta terra minhota é conhecida também pela sua gastronomia, quer ligada à atividade piscatória, como é o caso da famosa caldeirada, ou conhecida pelas iguarias das vilas mais interiores, que se dedicam à agricultura e pecuária e que daí advém o cabrito estufado à moda da Serra D’Arga ou o cabrito assado no forno.
Caminha é muito acolhedora, mas ao mesmo tempo muito envolvente devido à sua “veia” histórica e as suas ruas confortáveis. Cidade generosa e agradável, plantada em pleno coração do Alto Minho, em Caminha nada lhe faltará!

A formosa Foz do Arelho

Dona de uma beleza natural arrepiante, a zona Oeste portuguesa é sem sombra de dúvidas uma das regiões mais ricas do nosso país.

Facilmente se enumera duas dezenas de praias majestosas, quer em tamanho quer em paisagem. Mas, a 8KM das Caldas da Rainha, a noroeste do concelho e limitada pela Lagoa de Óbidos, localiza-se a deslumbrante Foz do Arelho.

De areia fina e dourada, esta praia foi bafejada pelo terapêutico iodo e pela imensa beleza natural. Digna de uma paisagem encantadora, a Foz do Arelho oferece-lhe águas calmas, devido à confluência da Lagoa com o mar. A localidade brinda-o ainda com atividades desportivas como o surf, a vela, windsurf ou o Kitesurf. A praia permite-lhe desfrutar de tranquilidade e descanso, isto devido ao facto de ser uma praia vigiada, possuir bandeira azul, posto de turismo, acesso a deficientes, parque de campismo e hotéis com fartura!

Pixabay

Pixabay

Esta Foz tem a vantagem de estar rodeada de um cenário verdejante único. Mas para além destas mais-valias, existe a vertente histórica como igrejas, ermidas e museus que pode sempre explorar. A Foz do Arelho é reconhecida pelos mais novos devido ao festival de música Oestfest.

Pixabay

Para além destas vantagens existe o facto de se deparar com uma das maiores zonas vinhateiras de Portugal, o Oeste. Também poderia falar-lhe das iguarias da zona, como as Cavacas das Caldas ou o Pão de Ló, mas isso era estar a adoçar-lhe demasiado o apetite.

À mesa com “Sal, Alho e etc”

Contudo, como não gosto de guardar segredos só para mim, e como sou apreciadora de um bom prato português tenho que vos falar de um restaurante que só de me lembrar me deixa com água na boca.

Vou contar-vos como aconteceu: íamos de viagem para o Alentejo, e como vínhamos de norte e como já se fazia tarde, decidimos parar em Portalegre para jantar. Já tínhamos estado por estes lados mas nunca chegamos a jantar, por isso era para nós uma aventura e uma descoberta encontrar um restaurante às 22 horas para jantar nesta terra do alto Alentejo. Andamos um pouco perdidos, até que um pouco depois do centro, junto ao Hospital Drº José Maria Grande, encontramos uma luz na parede a dizer “Restaurante Sal, Alho e etc”. Não pensamos duas vezes, paramos o carro e dirigimo-nos “até à luz”. O primeiro impacto não é totalmente deslumbrante visto que o restaurante fica no rés do chão de um prédio. Ao entrarmos encontramos um local muito típico e familiar. Com mesas redondas e retangulares cobertas por toalhas aos xadrez vermelhas e brancas, todo o  espaço coberto por quadros das experiências da família proprietária do restaurante, e dos prémios recebidos pelos mesmos. O ambiente era muito acolhedor com as mesas repletas de famílias, casais e amigos a aproveitarem um final de domingo. Como não poderia deixar de ser fomos muito bem recebidos como tão bem os alentejanos sabem fazer!

Mas falemos do que realmente interessa, o repasto. Decidimos para entrada uns ovos com farinheira que vinham servidos numa sertã pequena mas muito típica. Uma delícia… Acompanhado por um vinho alentejano, que deixo ao vosso critério, e com pão alentejano que é fantástico, a sensação na degustação é bastante satisfatória.

Ovos com Farinheira

Ovos com Farinheira

Mas o melhor estava para chegar, isto porque o restaurante só tem pratos de carnes e todas elas ligadas à caça, atividade muito praticada no Alentejo. Aqui é que se instalou a loucura, aquando da entrada na mesa do jantarinho de javali com castanha de Marvão e batata cozida e do Picadinho de veado com alhos… Posso vos dizer, não dissemos nem mais uma palavra até vermos o fim da comida nos recipientes. Divinal! Os alentejanos são mesmo os mestres do bem comer…

Javali com Castanhas

Javali com Castanhas

Claro que depois deste repasto não tínhamos barriga para sobremesas, mas não podíamos deixar de provar uma pequenina que fosse. Portanto, lá mandamos vir um doce do Convento de S. Bernardo (amêndoa, ovos e noz) para nos adoçar ainda mais a agradável surpresa que tinha sido aquele achado!

A parte menos boa seria na altura de pagar, mas para nosso espanto foi ainda uma agradável surpresa, sendo todo este delicioso jantar pago com um valor bem abaixo do 50€, o que faz deste paraíso gastronómico um local acessível a muitas carteiras.

Isto de comer bem não é sinónimo de caro por isso, caso esteja de passagem por estes lados não perca a oportunidade de degustar as enumeras especialidades deste lugar com todo o “Sal, alho e etc”.

As Feiras que tem 190 anos mas são chamadas de Novas

A celebrarem 190 anos de existência, as Feiras Novas de Ponte de Lima são um marco nas festas populares portuguesas.

Conhecidas também como a “Romaria de noite e de dia”, as festividades acontecem frequentemente no segundo fim de semana de setembro, que este ano são entre os dias 7 e 12 de próximo mês. O evento denota-de pela alegria contagiante que se faz notar pelas ruas de Ponte de Lima, a forma como está disposta, os cantares e rusgas constantes entre visitantes e intervenientes e o folclore. As feirinhas (também assim conhecidas) possuem a particularidade de numa só festa aglomerar variadíssimas gerações.

A mística deste evento centra-se essencialmente nas várias rusgas de concertinas e cantares ao desafio que chegam a juntar cerca de 500 tocadores pelas ruas. Mas o ribombar dos bombos, de gaiteiros, concertos musicais, pequenas discotecas e bares criados pelos habitantes, o fogo de artificio, uma corrida de garranos e o histórico cortejo de domingo são algumas das atividades desta imensa festa anual.

Ponte de Lima tem o culto da terra e da tradição como os pilares basilares de desenvolvimento. A vila é conhecida pelo berço do Turismo de Habitação, do Vinho Verde e do Arroz de Sarrabulho todos eles muito apreciados. É ainda uma das vilas mais floridas de Portugal, isto devido ao Festival Internacional de Jardins que já conta com a sua 26ª edição.

Pixabay

Pixabay

Oportunidades ou motivos não lhe faltarão, por isso aproveite o fim de semana das Feiras Novas, reúna os amigos e a família e vá até ao Minho conhecer estas festas imperdíveis, com muita música, animação, alegria e com muita gente à mistura.