Réveillon 2016

Para quem necessitar de quebrar a rotina e começar o ano de forma distinta, mostramos-lhe as propostas de norte a sul do país para receber 2016. Comecemos a norte. Na Invicta a festa faz-se ao som do portuense Pedro Abrunhosa. O músico volta aos concertos com uma atuação especial na Avenida dos Aliados. A completar os festejos não poderia faltar o tradicional fogo de artifício.

Pixabay

Fogo de artifício

Em Braga, os foliões andarão pela rua, e a atuação ficará a cargo de Nelson Freitas, do DJ Miguel Rendeiro, entre outros. A entrada é livre e terá início às 22 horas.

Ao centro, mais concretamente na Guarda, os The Gift serão a atração da cidade mais alta. No dia 31 de dezembro as comemorações ocorrerão na Praça Luís de Camões, onde poderá contar com muita animação.

O Douro é por si só uma região de excelência, por isso não perca a oportunidade de iniciar um novo ano da melhor forma, quer seja a bordo de um barco no rio Douro ou a desfrutar da calma e requinte de um hotel duriense.

No litoral centro, mais concretamente na Figueira da Foz, os D.A.M.A. prometem uma noite memorável. Já em Coimbra, o cartaz é muito apetecível, contando com as atuações do DJ Diego Miranda, dos Clã e sem faltar o fogo de artifício sob o Rio Mondego.

Se desejar algo diferente nada como dar um salto até à serra da Estrela onde a neve é sempre o mote dos festejos. Mas poderá ainda aproveitar as unidades hoteleiras para que o conforto e a diversão sejam maiores.

E como não há duas sem três, e para quem gosta de passagens de ano mais calmas e simples, Óbidos é sempre uma boa ideia. A pensar em quem quer dar as boas vinda ao novo ano longe da confusão de cidades e pessoas, a vila Natal é sem dúvida o local mais apropriado.

Descendo para sul, na capital as ofertas são imensas. A começar pela habitual noite de concertos no Terreiro do Paço ou em locais de diversão noturna, o difícil será escolher. Lisboa está em festa e celebra o Ano Novo com quatro dias de espetáculos junto ao Tejo. Este ano a música ficará a cargo de Trovante e Richie Campbell.

Pixabay

Conforme vamos descendo, a noite mais aguardada do ano traz várias opções. Em Beja, José Cid recordará os seus temas num concerto que prometerá muita animação.

No Algarve, mais concretamente em Albufeira, Anselmo Ralph atua junto ao mar. Em Lagos, os Expensive Soul convidam-no a ouvir as doze badaladas e a tirar o pé do chão.

Insubstituível é também o réveillon na Madeira. Conhecido pelo seu fogo de artifício, o Funchal promete atrair milhares de pessoas à ilha nesta altura do ano. Um dos motivos que o pode levar até à Madeira, é o facto do espetáculo pirotécnico madeirense já ter sido considerado pelo Livro dos Recordes do Guinness como “o maior do mundo”.

Nos Açores, em Ponta Delgada, também há espetáculo de luz ao ressoar as 12 badaladas. A cantora Kika e alguns DJ´s serão os pontos altos da noite açoriana.

“A serra da Estrela é uma personalidade”

O ponto mais alto de Portugal Continental não é apenas e só o lugar mais alto. A serra da Estrela em toda a sua grandiosidade é um aglomerado de vida, magia e de muitos locais ainda por descobrir.

O maciço da Estrela é normalmente o centro das atenções no inverno, tornando-se ainda mais majestosa coberta pelo seu manto branco devido à queda de neve. No entanto, é depois do degelo que a maioria dos sues segredos e riquezas se colocam ao olhar dos mais curiosos.

Pixabay

Serra da Estrela

Mãe de três importantes rios nacionais, a Serra da Estrela faz brotar o Mondego, o Zêzere e o Alva, é por entre vales glaciares e altos montanhosos, por fios de água e nascentes que maravilhas naturais acontecem.

Em pleno centro do país, alcançando o ponto mais alto do território continental, a serra da Estrela é atraente pelos seus imensos bosques, pelos seus imponentes rochedos, pelo queijo artesanal, a lã, os pastores, e por toda a vida que dela nasce.

A esta serra que há  muito chamam de Estrela, os romanos deram o nome de “Herminius mons” – os montes de Hermes, que ainda hoje uma zona serrana é referida como Montes Hermínios.

A imponente montanha portuguesa foi ainda assunto num dos contos mais conhecidos em todo o mundo, falamos do Moby Dick. No 41º capítulo de Herman Melville, o autor menciona os “prodigies related in old times of the inland Strello mountain in Portugal (near whose top there was said to be a lake in which the wrecks of ships floated up to the surface)” [Aqui, a verdade da vida iguala a lenda, mesmo quando se trata de uma velha história como a da serra da Estrela em Portugal, onde se diz existir perto do cume um lago em cuja superfície flutuam as carcaças de navios naufragados no oceano (…), Ed. Relógio d’Água].

Mas a história da Estrela é mais longínqua, e vem da era antes de cristo, com o seu herói Viriato. Vercingétorix ibérico, foi chefe, pastor-guerreiro da serra da Estrela que atacou as tropas de Roma nos cumes da montanha. Exemplo de um povo serrano e beirão. Exemplo de gentes de verdade.

Engane-se quem pensa que deste lugar frio e agreste brotam apenas rios, neve e vida natural. A intelectualidade também nasceu na serra. O “escritor dos afetos”, sim esse mesmo, António Alçada Baptista é um dos principais autores serranos.

Mas a serra pode ser lida ainda em obras de Vergílio Ferreira, natural de Melo, concelho de Gouveia, autor da “Manhã Submersa”. No livro “A Lã e a Neve” de Ferreira de Castro (1918-1974) encontramos ainda um romance sobre os trabalhadores da indústria de lanifícios. Também Aquilino Ribeiro (prosador português do Sec.XX) dizia num dos seus poemas que “A serra da Estrela é uma personalidade”.

Contudo, existem algumas realidades indissociáveis da Estrela, como são os sabores. O cabrito é rei da mesa dos serranos. Manda também numa mesa serrana espera-se que haja enchidos feitos na montanha. Já o arroz de carqueja é gastronomia nativa (para quem não conhece, a carqueja é uma planta medicinal que cresce na serra). Os lugares de prova são muitos e é difícil encontrar um mau restaurante na serra da Estrela.

Imperdoável será visitar a montanha e não provar o tão conhecido queijo da serra, acompanhado por um bom copo de vinho tinto e pelo pão cozido no forno.

O queijo é realmente uma das coroas da majestosa Estrela, mas a primeira referência a esta iguaria remonta a Gil Vicente, pai do teatro português. O singular produto, provavelmente introduzido pelos romanos, é um queijo curado e amanteigado. Produz-se com leite de ovelhas das raças Bordaleira Serra da Estrela e Churra Mondegueira.

Outro dos símbolos da montanha é o tão conhecido Cão Serra da Estrela. De grande porte, conhecido como companheiro, afável e destemido, o cão da serra é associado ao “guarda” rebanhos. Com muito pêlo, habituado ao frio serrano, cão muito genuíno, nunca abandona o deu dono nem o seu trabalho. O animal tem como objetivo proteger o rebanho, conduzi-lo serra acima e no caminho de regresso a casa.

Este trabalho era e é bastante precioso. Isto porque é a partir desta produção que a matéria-prima mais valiosa da região advém, estamos a falar da lã, a pura lã. Todo o processo é feito na Estrela – a tosquia, o desemaranhar, o fiar, o tecer. Tudo aqui é único. A indústria, o artesanato, o comércio com as mantas, as luvas, os casacos de pastor, os coletes, ou as pantufas. Conforto e genuinidade é o que de melhor existe para lhe oferecer nesta região.

O cume da montanha é o lugar mais procurado pelos turistas na época invernal. Um local privilegiado para os bonecos de neve mas também para a prática dos desportos de inverno (Ski, snowboard, trenós, entre outros…). Lá em cima encontrará várias pistas, num complexo amplo e modernizado. Fora do inverno, ski e snowboard podem ser praticados todo o ano no Skiparque de Manteigas. Mas os desportos na serra não se estreitam apenas ao ski e snowboard, muito pelo contrário. Nas outras estações, os desportos são muitos mais vastos. Rios brotam serra abaixo, e nada mais apropriado do que usufruir de vários trechos para canoagem.

O parapente é outro desporto rei na Estrela. Em Manteigas ou Linhares da Beira poderá encontrar ou escolas ou festivais específicos desta modalidade. Mas a modalidade soberana em tempo mais ameno, é sem dúvida alguma, as caminhadas. Com infindas rotas já delimitadas a serra oferece-lhe trilhos pelas lagoas, pelos Vales Glaciares, pelos bosques…
Na região serrana é possível passar várias semanas a passear e mesmo assim não conhecer tudo que ela envolve. A multiplicidade no turismo cultural é deslumbrante: as Antigas Judiarias, as Aldeias Históricas de Portugal, as Aldeias de Xisto, os castelos, os museus e monumentos. No turismo de ambiente e de desporto, a região é um dos locais portugueses de exceção.

Como pode constatar, quer visite a serra no verão ou no inverno, no outono ou na primavera, seja qual for a sua escolha, uma coisa será sempre garantida, o enamoramento pela majestosa serra da Estrela, o encanto pela neve, a paixão pelos desportos de inverno, pelas suas paisagens ou pelos seus segredos, algum destes atributos o farão regressar, abraçar novas aventuras e querer desfrutar ainda mais desta maravilha natural de Portugal.

A Vila Natal 2015 é em Óbidos

A iniciativa “Óbidos Vila Natal” conta com mais um edição de muita imaginação e encanto. O evento irá divertir miúdos mas também os mais crescidos, num panorama repleto de luzes, enfeites, e muita magia, que o farão recordar como este é um tempo de alegria e de família.

Vila Natal

Óbidos tem habituado os visitantes à sua transformação e no natal a metamorfose é muito real. Nos últimos anos, a conhecida vila é alvo de uma magia única e transforma-se num local místico, repleto de beleza e de diversão para todos.

O evento foi inaugurado no dia 4 de dezembro e prolongar-se-á até dia 3 de janeiro de 2016, em Óbidos. Todas as atividades são ao ar livre, por isso não se esqueça dos casacos e agasalhos em casa, pois é muito provável que esteja frio.

Tanto os horários, como preços e outras informações já encontram-se no site do evento, no entanto simplificamos-lhe o processo: nos dias 4, 9, 10, 11 14, 15, 16, 17, 24 e 31de dezembro, a vila abre portas aos visitantes às 11 horas e encerra às 16 horas. Já nos dias 5, 6, 7, 8, 12, 13, 18, 19, 20, 21, 22, 23, 26, 27, 28, 29, 30 de dezembro, e 2 e 3 de janeiro, o fecho do evento está marcado para s 19 horas. Apenas no dia de natal (25 de dezembro) e o primeiro dia do ano (1 de janeiro) a abertura do recinto será efetuada às 16 horas e encerrará às 20 horas.

Caso pretenda passar mais do que um dia por Óbidos, no concelho existem diversas unidades hoteleiras, bem como diversos restaurantes na zona.

Mas também se deve de estar a questionar o que mais esta vila tem para lhe oferecer… Uma coisa lhe é garantida, a monotonia não é palavra que paire por Óbidos nos próximos dias.

Espalhados pela vila haverá concertos, bem como atividades para os mais novos. Os mais pequenos decerto que não quererão perder a possibilidade de uma viagem na caravana do Pai Natal.

Quem passar por Óbidos também será surpreendido pelos espetáculos de natal que se irão desenrolar nos palcos existentes no recinto de toda a festa. Entre eles encontrará artes circenses, teatro, malabarismos, entre outras atividades. Poderá também divertir-se nas pistas de Gelo, na rampa de gelo, no carrossel ou no comboio de natal.

Para completar toda esta animação, espalhado pela vila encontrará várias animadores e personagens construídas de propósito para esta época tão especial que é o natal.

Caso pretenda evitar filas no dia da visita à vila poderá sempre adquiri-los através do site http://obidosvilanatal.pt.

Óbidos e a sua originalidade!

Em pela zona Oeste, no centro de Portugal, a encantadora Vila de Óbidos é um dos locais mais procurados pelos turistas.

Obidos

Castelo da Vila

Óbidos deslumbra os visitantes com um cenário medieval, ruas estreitas e fachadas brancas. Toda a vila tem a particularidade de se encontrar entre muralhas. É um local pitoresco, não só pela sua configuração mas também por toda a sua história. Esta Vila foi palco de uma das mais bonitas e mais conhecidas histórias de amor portuguesas, a de “Pedro e Inês”. Mas no que toca à história, passaram também por lá batalhas importantes, como foi o caso da conquista aos Mouros, em 1148, pelo primeiro rei de Portugal (D. Afonso Henriques). Óbidos foi ainda cenário de outros confrontos aquando das Invasões Francesas.

Castelo

Por tudo isto, é compreensível que o legado arquitecónico seja amplo. Como uma Vila Medieval, tipicamente portuguesa, Óbidos possui um Castelo, que atualmente funciona como Pousada de Portugal. Este castelo, como é usual, situa-se no ponto mais alto da Vila. Mas é importante salientar que o edifício foi modificado variadíssimas vezes, devido a lutas travadas na vila, mas também devido a catástrofes naturais, como foi o caso da total ruína provocada pelo terramoto de 1755.

Os monumentos a serem visitados na Vila não se cingem apenas ao Castelo. Entre outros, os visitantes passarão pela “Porta da Vila” que é verdadeiramente encantadora, encontrarão várias igrejas (a da Misericórdia, a de Santa Maria e a de São Pedro), ou então, poderão sempre perder-se pelos Museus espalhados por Óbidos. No exterior das muralhas, os visitantes encontrarão o Santuário do Senhor da Pedra, que é o único monumento para além dos muros da vila.

obidos

Desengane-se quem pensa que uma visita a Óbidos é meramente histórica. Esta Vila tem várias festas temáticas que irão adoçar a sua curiosidade. Para além da Feira Internacional do Chocolate, Óbidos acolhe e organiza também a “Vila Natal”.

Mas a magia desta pequena localidade não se fica por aqui. Óbidos detém ainda um dos mais belos locais da costa oeste portuguesa, a Lagoa de Óbidos. A lagoa situa-se muito próxima da vila medieval, e constitui um ecossistema onde diversas espécies encontraram um meio ambiente único. A lagoa é ainda um local excecional para a prática de diversos desportos como o remo, a vela e o windsurf.

O Cão Serra da Estrela

O Cão Serra da Estrela é uma raça canina portuguesa que, como o seu nome indica, teve a sua origem nessa região montanhosa. Foi aí que os animais que lhe deram origem se fixaram e, após múltiplas adaptações, conseguidas em gerações sucessivas, foram ganhando as suas características próprias. Read more